0
  Login
“Valor do Bitcoin nunca será zero”, admite ex-economista do FMI crítico de criptomoedas

“Valor do Bitcoin nunca será zero”, admite ex-economista do FMI crítico de criptomoedas

Kenneth Rogoff, um economista da universidade de Harvard que serviu como economista-chefe no Fundo Monetário Internacional (FMI) em 2001-03, argumentou recentemente que criptomoedas como o Bitcoin são “bilhetes de loteria” que podem não valer nada.

De acordo com um artigo escrito para o The Guardian, Rogoff acredita que apostar em criptomoedas é arriscado pois governos com “economias avançadas” não as vão tolerar, mas poderão ser adotadas por governos sob sanções americanas, como a Somália, a Síria, o Irão, e a Coreia do Norte.

No seu artigo, revelou que, numa conferência em que esteve, muitos fãs de criptomoedas viam o preço das mesmas subir de tal forma que teriam uma capitalização de mercado de trilhões de dólares num futuro próximo.

Rogoff relembrou que argumentou que o bitcoin deve cair para US $100, mas que o seu valor não será zero. Acrescentou:

O jeito certo de pensar nas moedas de criptomoedas é como bilhetes de loteria que valem a pena em um futuro distópico onde elas são usadas em estados desonestos e falidos, ou talvez em países onde os cidadãos já perderam toda a aparência de privacidade

De acordo com o economista, não é coincidência a Venezuela ter sido o primeiro país a lançar uma criptomoeda, o petro. O grande obstáculo que as criptomoedas enfrentam, afirma, é o de serem adotadas para que possam ser usadas na compra de bens e serviços, além dos ilícitos.

No artigo acrescentou que se os governos em todo o mundo decidirem que é ilegal utilizar criptomoedas em lojas e bancos, isto levará ao seu colapso. Respondendo ao argumento de que bitcoin é “ouro digital,” Rogoff afirmou que ouro tem vários usos além de ser uma reserva de valor, e com a tecnologia tem vindo até a ser usado em iPhones e veículos espaciais.

De acordo com Rogoff, a natureza de sistemas descentralizados como a blockchain das criptomoedas faz com que sejam menos eficientes do que sistemas centralizados, como os dos bancos centrais. Para o economista, isto significa que resolver o “custo energético fenomenal” da rede do bitcoin não serviria de muito.

As suas características, que permitem transacionar de forma semianônima, significam para o economista que governos com “economias avançadas” não a vão tolerar. Sem estas características, afirma, ninguém a utilizaria.

Potencial do Bitcoin

No artigo o economista responde ainda que quem acredita no potencial do bitcoin afirma que o seu valor poderá subir desde que seja percebido como ouro digital. Quanto a isto, argumenta que economistas como ele têm trabalhado neste problema há cinco décadas e que observaram não ser bem assim.

Pelas suas palavras:

[Nós] descobrimos que as bolhas de preços em volta de ativos intrinsecamente inúteis devem eventualmente estourar. Os preços dos ativos que possuem valor real subjacente não podem desviar-se arbitrariamente dos benchmarks históricos

Acrescentou ainda que moedas fiduciárias emitidas por governos não são apenas uma convenção social, pois estes governos pagam a empregados e fornecedores em moeda fiduciária, além de exigirem impostos nela. Aqui, Rogoff negligencia que o estado americano de Ohio já aceita o pagamento de impostos também em bitcoin.

Perto do final do seu artigo reconhece, no entanto, que é ainda cedo para tirar conclusões acerca do futuro das criptomoedas. Afirma que acredita que bancos centrais vão “entrar no jogo,” e que a verdadeira questão é se vamos ver governos apropriar-se do que foi feito pelo setor privado, ou regularem criptomoedas para evitarem evasão ao pagamento de impostos e lavagem de dinheiro.

Conclui que a queda dos preços das criptomoedas não deve ser vista como uma surpresa, pois estas são “bilhetes e lotaria” com uma grande probabilidade de não valerem nada, e uma pequena probabilidade de virem a valer muito no futuro por “motivos atualmente difíceis de antecipar.”

curtir:
Sobre o Autor