0
  Login
Microsoft planeia revelar Xbox de última geração na E3 2019

Microsoft planeia revelar Xbox de última geração na E3 2019

A Microsoft pode estar a planear revelar finalmente a consola Xbox de próxima geração. Para isso, a empresa, como habitualmente, escolherá o palco da E3 2019.

Embora possam ser apresentadas já este ano, as novas consolas Xbox só deverão chegar em 2020.

Nova Xbox da E3 2019

Segundo alguns meios mais próximos da Microsoft, a nova consola Xbox estará já pronta para ser apresentada, embora não haja nomes de produtos ou detalhes de preços. Contudo, será na E3 2019 quer iremos conhecer a forma, detalhes e pouco mais. Serão mais aspetos de hardware.

Portanto, as consolas não estarão disponíveis imediatamente após o evento anual, pois os relatórios afirmam que serão lançados no outono de 2020.

Xbox Anaconda e Lockhart?

As consolas Xbox de próxima geração virão em duas versões. Têm para já nomes de código Anaconda e Lockhart. Desta forma, os dispositivos são conhecidos como Projeto Scarlett.

Há rumores de que o Anaconda é a consola mais potente e vem equipada com uma drive SSD. Por outro lado, a versão Lockhart terá um preço mais baixo e potencialmente sem disco. Terá certamente o foco na utilização do serviço de streaming de jogos do xCloud.

Possíveis características:

Xbox Lockhart 

  • CPU: Custom 8 Cores – 16 zen threads 2
  • GPU: Custom NAVI 4+ Teraflops
  • RAM: 12GB GDDR6

Xbox Anaconda 

  • CPU: Custom 8 Cores – 16 zen threads 2
  • GPU: Custom NAVI 12+ Teraflops
  • RAM: 16GB GDDR6
  • Armazenamento: 1TB NVMe 1 + GB /  SSD hard drive

Austrália vai permitir ter emojis nas placas dos carros

Austrália vai permitir ter emojis nas placas dos carros

Quando se fala hoje em veículos é normal avaliar-se o mesmo em termos de tecnologia! Nesta área, as evoluções têm sido significativas, mas há um elemento que alguém se esqueceu… a matrícula. No entanto, tal como já revelamos, o digital parece estar a chegar a este elemento identificativo e já há matrículas digitais.

Recentemente surgiu também a notícia que, na Austrália, as matrículas vão passar a ter emojis.

O Estado de Queensland, na Austrália, vai permitir que os veículos tenham um emoji associado à matrícula. Esta autorização está já prevista para o próximo mês de março e quem quiser lá colocar “um bonequinho” decorativo terá de pagar um extra, uma vez que as matrículas com emojis vão custar entre 150 e 500 dólares australianos o que corresponde a 95 a 315 euros, de acordo com o 7News.

Por agora apenas estão permitidos alguns emojis como, por exemplo, o tradicional sorriso, o emoji gargalhada, o smile que faz uma piscadela de olho, o emoji com óculos escuros ou o rosto com corações nos olhos, refere a BBC.

A imprensa tem referido que esta novidade tem sido bem recebida e que as reclamações apenas se centram no facto de existirem poucos emojis permitidos.

Qual o emoji que gostava de ter na sua matrícula?

Samsung Galaxy S10: rumores, confirmações e tudo mais sobre o novo topo de gama

Samsung Galaxy S10: rumores, confirmações e tudo mais sobre o novo topo de gama

Decidimos reunir todos os rumores em torno do smartphone, num misto de previsão do que vai ser anunciado oficialmente amanhã.

A Samsung comemora o décimo aniversário do seu smartphone topo de gama, e pretende festejar à altura, com o modelo Galaxy S10 que ao longo dos últimos meses tem gerado inúmeros rumores e leaks, estrategicamente difundidos para manter o interesse dos entusiastas da tecnologia. O novo modelo será igualmente importante para contrariar as vendas mornas do anterior S9, e manter a fabricante no topo da cadeia alimentar na indústria dos smartphones, procurando distanciar-se da sua rival Huawei. Mas afinal o que sabemos da joia da coroa da fabricante coreana?

Tudo indica que o S10 terá direito a três/quatro variações (S10, S10e que corresponde ao Lite e S10 Plus), oferecendo diferentes tamanhos de ecrã, e tendo como objetivo suprir os vários segmentos do mercado. O smartphone poderá ter um modelo Lite de entrada de gama de 5,8 polegadas, e outros maiores, para os modelos Plus, com 6,4 ou 6,7 polegadas.

Tendo em conta a revelação prevista para amanhã, não deixa de ser estranho que a Samsung já disponibilize uma página oficial para as pré-compras, prometendo aos seus clientes poupanças no valor de até 550 dólares no “próximo dispositivo Galaxy”. E a menos que estejamos a interpretar mal, as entregas do próximo equipamento serão feitas, caso o stock o permita, até ao dia 8 de março. Desta forma, da apresentação oficial, à colocação nas lojas pode demorar cerca de duas semanas. Não admira assim todo o hype em torno da revelação de amanhã.

Mas os rumores em torno do S10 começaram cedo, em junho do ano passado, quando se começou a falar do modelo “Beyond”, o nome de código escolhido para o modelo, onde se referia que o smartphone poderia ter um sistema de câmara tripla na traseira. Quase oito meses depois, “colecionar” lentes na traseira parece já ser um feito banal para as principais fabricantes, veja-se, por exemplo, o Huawei P20 Pro e o LG V40 ThinQ, que chegou às lojas no início do mês de fevereiro. Nesse sentido, será com naturalidade que o Samsung S10, nesta altura do campeonato, tenha o sistema de câmara tripla.

Outro dos rumores iniciais foi a introdução de um sensor biométrico de impressões digitais diretamente no ecrã, uma tecnologia que também tem sido já utilizado em outros smartphones, como o OnePlus 6T, que já se encontra no mercado. No caso da Samsung, os rumores apontam para um sensor da Qualcomm, estreando a terceira geração da sua tecnologia ultrasonic.

A tecnologia será, no entanto, adicionada às versões premium, pois as entradas de gama, como o eventual S10E terá o sensor convencional adicionado à lateral do equipamento. Alguns rumores apontam também para complicações na construção de uma capa protetora oficial para os modelos com impressões digitais no ecrã, devido à perda de sensibilidade. A solução parece ser mesmo um corte na capa em torno da respetiva área de contacto.

Muito se fala também sobre o que a Samsung pretende fazer com o sistema de reconhecimento facial. A empresa tem sido criticada por não fazer frente à Apple no que diz respeito ao reconhecimento facial 3D, optando pela combinação do 2D com o scan da íris, o chamado Intelligent Scan. Ainda assim, houve um rumor que apontava para a parceria com a Mantis Vision, para introduzir reconhecimento 3D no seu sistema.

Alimentando as tendências de 2019

A Samsung começou igualmente o borburinho em torno de três das maiores tendências de 2019: o 5G, os ecrãs dobráveis e os já famosos “punch-hole”, o “furo” no ecrã. No que diz respeito aos ecrãs flexíveis, estes não se aplicam ao S10, mas sim ao suposto Galaxy F, que será igualmente apresentado amanhã. O modelo topo de gama poderá ter suporte para 5G, antecipando a tecnologia de quinta geração móvel que vai chegar nos próximos anos. A fabricante já tinha feito em dezembro, inclusive, uma demonstração de um protótipo de smartphone a trabalhar em 5G.

Ao confirmar-se, os rumores apontam para um equipamento com uma bateria de 5.000 mAh para a versão de topo, para compensar o alto consumo da tecnologia 5G. Já agora, ainda no que diz respeito a baterias, poderão haver versões com 3.100, 3.500 e 4.000 mAh. Fala-se ainda de suporte a WiFi 6, oferecendo a capacidade de carregamento wireless reverso, capaz de carregar os seus Galaxy Buds, que também já se sabe que são uma realidade.

Sobre o já comum “furo” no ecrã, que a Samsung apelida de Infinity-O, trata-se de uma alternativa ao notch na oferta de experiências de display “infinito” e foi estreado com o Samsung A8, lançado em dezembro do ano passado. Mas a linha S10 poderá ter um orifício duplo, na forma de pílula, para albergar uma ou duas lentes, mediante os modelos. O design parece mesmo ter sido acarinhado pela fabricante, que já tratou de criar animações de pixéis em torno da camara fotográfica, um pequeno anel iluminado quando está ativa, por exemplo.

O preço de todo o aparato tecnológico da nova geração também tem sido alvo de rumores, mas igualmente de polémicas, caso se confirme os valores adiantados. O modelo de entrada de gama poderá custar entre os 650-750 dólares, mediante a RAM e armazenamento de dados. Valores correspondentes a modelos de topo de gama de outras fabricantes. No entanto, à medida que avança pelo catálogo, os modelos mais caros podem chegar aos 1.500 dólares, na versão S10 Plus, com 12 GB de RAM e 1 TB de armazenamento, tendo em conta a recente apresentação da primeira memória com esta capacidade para um smartphone.

Outro rumor, com grande credibilidade, é a funcionalidade Samsung Blockchain KeyStore, que atribui ao S10 a capacidade de ser configurado como carteira de criptomedas. As imagens mostravam ecrãs de configuração de suporte ao Ethereum, mas outras moedas virtuais serão eventualmente suportadas, como a BitCoin e ERC20.

Relativamente às especificações, os rumores apontam para a utilização de processadores Qualcomm (para as versões vendidas nos Estados Unidos) e o seu Exynos nos restantes territórios. O novo chip Snapdragon 855 poderá ser equipado no modelo topo de gama também, mais uma vez alimentando a ideia do 5G.

Por fim, a Samsung poderá ainda introduzir uma nova interface chamada OneUI para substituir a anterior Samsung Experience para o Android. A interface está em beta desde o Galaxy 9 e poderá igualmente ser introduzido no S10.

São muitos os rumores, e certamente, fazendo jus à tradição, a maioria serão confirmados amanhã. E se não acredita, assista ao vídeo com a publicidade de televisão que foi lançado antes do evento. Resta agora saber que outros segredos esconde a fabricante liderada por D.J. Koh para serem apresentados. O SAPO TEK estará presente e pretende atualizar as informações à medida que forem divulgados.

Quantum Portugal: Procuram-se jovens que queiram ser doutores em computação quântica

Quantum Portugal: Procuram-se jovens que queiram ser doutores em computação quântica

Criação de novos medicamentos e materiais, análise de risco financeiro, gestão de stocks, reconhecimento facial ou até IA. As aplicações da computação quântica são muitas e os investigadores ainda são poucos. É por isso que a FCT vai financiar bolsas.

Chama-se Quantum Portugal e é uma iniciativa da Fundação para a Ciência e Tecnologia que pretende atrair novos investigadores para a computação quântica, com o financiamento de bolsas de doutoramento.

A área é considerada de grande potencial e está em franco crescimento, com inúmeras aplicações na ciência e nos negócios, desde a criação de novos medicamentos e materiais à Inteligência Artificial. Só que, como em muitas outras áreas ligadas à tecnologia, faltam recursos qualificados.

As 24 bolsas colocadas agora a concurso pretendem ajudar a responder a essa escassez. Ao mesmo tempo que põe Portugal “no mapa”. “É uma área em franco desenvolvimento em todo o mundo, que está a reunir grande investimento em países como a China e os EUA”, sublinhou o ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior em declarações ao SAPO TeK, considerando que a iniciativa vai contribuir para “melhor posicionar Portugal neste contexto de mudança e evolução nas chamadas tecnologias imateriais quânticas”.

Manuel Heitor destacou que há hoje formação doutoral em todas as áreas do conhecimento em Portugal e nos últimos anos mais do que se duplicou o número de bolsas de doutoramento. “Estamos a formar cerca de 2.600 novos doutores por ano, cerca de três em cada 10.000 habitantes”. O valor é semelhante a Espanha, mas ainda abaixo da média da UE, “por isso temos de continuar a aumentar e a diversificar a formação ao nível do doutoramento e, de um modo geral, temos aberto sempre apoios em todas as áreas do conhecimento”.

No caso da Quantum Portugal, além dos incentivos existentes para todas as áreas do conhecimento, “abre-se um apoio específico adicional numa área que é emergente (…) colocando as infraestruturas do INL à disposição de todas as universidades de Portugal”, referiu o responsável político.

Será efetivamente o INL – Laboratório Ibérico Internacional de Nanotecnologia a gerir o concurso, no âmbito de um Memorando de Entendimento esta sexta-feira assinado num evento em Braga, que também serviu para assinalar o lançamento da iniciativa.

O INL funcionará como instituição de acolhimento a alunos de doutoramento de universidades de todo o país, que assim poderão usar as suas instalações e competências.

“Hoje já se trabalha em materiais quânticos em Portugal, mas para podermos trabalhar mais temos de ter pessoas. O que estamos a fazer é formar uma nova geração de recursos”. Para  trabalharem em Portugal ou estão a ser formados para irem para o estrangeiro? “Para trabalhar em Portugal e em rede com outros países”, respondeu Manuel Heitor.

Nintendo e os clássicos: Link’s Awakening na Switch e muito mais

Nintendo e os clássicos: Link’s Awakening na Switch e muito mais

A Nintendo está a preparar uma série de lançamentos de peso para este ano. No vídeo promocional foi anunciado que alguns dos clássicos mais jogados nas consolas antigas vão estar disponíveis para a Nintendo Switch, por exemplo o clássico Link’s Awakening (da saga Zelda) feito originalmente para o Game Boy.

O vídeo abre em grande com uma demonstração do novo Mario Maker, que, caso fosse o único anúncio do dia, deixaria os fãs suficientemente satisfeitos. Mas a Nintendo não ficou por aqui. Embora tenha sido mostrado em último lugar, foi o remake do jogo Link’s Awakening que causou mais burburinho entre os fãs por trazer uma versão 3D deste clássico para o Game Boy.

Foi anunciado igualmente um novo jogo chamado Astral Chain, no qual teremos a oportunidade de controlar duas personagens simultaneamente e lutar em batalhas frenéticas com robôs. Depois de The Wonderful 101, Bayonetta e Nier, a Platinum Games traz-nos mais uma das suas produções ambiciosas.

E se o conceito de battle royale chegasse ao Tetris? Sim, chegou, e vamos poder jogá-lo contra 99 outras pessoas e participar em competições de arena para ver quem faz melhores combinações de blocos.

Foram também apresentados os novos heróis do jogo Fire Emblem: Three Houses, com os quais vamos poder formar alianças e/ou ser traídos. A Nintendo guardou um pouco de drama para apimentar este anúncio, uma vez que foi feito um dia antes do Dia dos Namorados. O amor está no ar e algumas flechas também.

Podemos esperar pelo lançamento do novo RPG chamado Oninaki, que nos traz uma história original, feito pelos estúdios da Back-To-Basics. Teremos oportunidade de jogar o Dragon Quest 11 S e o DQ Builders 2, que sairão no verão e outono deste ano. Foi anunciada o Rune Factory 4 Special (uma remasterização do clássico Nintendo) e ainda que o RF5 está neste momento em desenvolvimento, embora não haja previsão de lançamento.

Por fim, foi anunciado o Final Fantasy VII, que será lançado no final de março, e o Final Fantasy IX, que já está disponível. É uma ótima oportunidade para os fãs da Nintendo relembrarem e/ou conhecerem alguns dos grandes hits desta saga, que marcaram várias gerações de gamers.

Poderemos ainda contar com o lançamento de outros jogos como BOXBOY! + BOXGIRL, Bloodstained: Ritual of the Night, Yoshi’s Crafted World, Captain Toad: Treasure Tracker, Marvel Ultimate Alliance, Daemon X Machina, Disney Tsum Tsum Festival, entre outros.

Apex Legends, potencial rival de Fortnite consegue dez milhões de utilizadores em três dias

Apex Legends, potencial rival de Fortnite consegue dez milhões de utilizadores em três dias

A Electronic Arts está a apostar num rival do Fortnite onde combina elementos do The Hunger Games com Minecraft. Apex Legends conquistou dez milhões de contas em três dias

Apex Legends é o nome do rival do Fortnite que a Electronic Arts lançou no mercado. Neste título, 60 jogadores são deixados numa ilha e têm de combater uns contra os outros para sobreviver. Na quinta-feira passada, a EA anunciou ter mais de um milhão de jogadores em simultâneo e na sexta-feira o jogo foi o mais visto no Twitch, noticia a Reuters.

Fenómenos como Fortnite e PUBG apoiados pela chinesa Tencent têm forçado as editoras a reinventar-se ou a correr atrás do prejuízo para conseguir mais jogadores. Estes dois jogos popularizaram o modo battle royale com dezenas de jogadores online em simultâneo. A Electronic Arts acredita que a decisão de não ter este modo implementado no Battlefield V levou à venda de menos cerca de um milhão de unidades.

Agora, Apex Legends pode revelar-se uma cartada de sucesso. Conseguiu em três dias o mesmo número de utilizadores que o Fortnite conquistou em duas semanas depois do seu lançamento. A editora espera conseguir mais 100 milhões de dólares em receitas no ano fiscal que termina em março de 2020, graças a este jogo.
Saiba como criar palavras passe únicas e fáceis de memorizar

Saiba como criar palavras passe únicas e fáceis de memorizar

Os investigadores da Kaspersky Lab descobriram que a maior fragilidade das palavras-passe é a sua reutilização. A recente publicação da notícia do roubo de mais de 700 milhões de emails e palavras-passe não codificadas revela que a informação obtida devido às diferentes falhas pode combinar-se facilmente e ser utilizada em outros ataques de “preenchimento de credenciais”, onde os hackers aproveitam as combinações do correio eletrónico ou palavras-passe das vítimas para aceder a outras contas que tenham a mesma palavra. Para criar palavras-passe seguras, únicas e fáceis de memorizar, a Kaspersky Lab recomenda:

  • Criar uma “combinação estática” (a parte da palavra-passe que nunca muda)

1. Pensar numa frase, letras de canções, citações de um filme, uma canção de infância ou algo parecido que seja fácil de memorizar para nós próprios.
2. Pegar na primeira letra das primeiras três ou cinco palavras.
3. Entre cada letra, acrescentar, por exemplo, @/ #, etc.

  • Melhorá-las através da força da associação

1. Quando pensamos nas contas online para as quais precisamos de ter uma palavra-passe (Facebook, Twitter, locais de contactos ou de jogos, etc.), deve-se anotar cada uma das primeiras palavras que associemos a cada rede.

2. Por exemplo, ao criarmos uma palavra-passe para o Facebook, podemos associar esta rede à cor azul do logótipo; ou então podemos simplesmente acrescentar a palavra “azul”, talvez em maiúsculas, no final da combinação estática.

Apple desativa chamadas de grupo do FaceTime devido a falha que permitia espiar utilizadores

Apple desativa chamadas de grupo do FaceTime devido a falha que permitia espiar utilizadores

Uma grave falha de segurança obrigou a Apple a desativar as chamadas de grupo no FaceTime — funcionalidade que permite fazer chamas de grupo em vídeo. A falha permitia ouvir — e por vezes até ver — utilizadores antes de estes atenderem as chamadas. A empresa vai lançar uma atualização de software com uma solução para resolver o problema esta semana.

A Apple desativou temporariamente as chamadas de grupo no FaceTime enquanto procura resolver um problema que permitia aos utilizadores ouvir as pessoas a quem estavam a ligar antes mesmo de estas atenderem as chamadas.

Em algumas circunstâncias, o problema técnico ativava inclusivamente a câmara de vídeo antes do outro utilizador atender, ou seja, antes de ser iniciada a vídeo chamada escreve o The Guardian, que conseguiu testar e comprovar o problema.

O problema foi inicialmente reportado pelo site 9to5Mac que denunciou um caso em que apesar da vídeo chamada ser silenciada pelo receptor — pressionado o botão lateral do iPhone — o microfone continuava a captar e a transmitir som para quem fez a chamada.

À Reuters, a Apple informou esta segunda-feira que irá lançar uma atualização de software até ao final desta semana para resolver o problema.

“Estamos conscientes do problema e identificamos uma solução que será lançada numa atualização de software esta semana”, disse um porta-voz da empresa da maçã.

Jack Dorsey, CEO do Twitter, deixou na uma recomendação aos seus seguidores nesta rede social: desliguem o FaceTime até que a Apple resolva o problema, escreveu.

10 dos melhores videojogos que estreiam em fevereiro

10 dos melhores videojogos que estreiam em fevereiro

Jump Force junta personagens das mais populares séries de anime das últimas décadas e Far Cry: New Dawn explora o mundo pós apocalíptico que resultou de Far Cry 5. Mas há mais jogos em linha, como Anthem ou The Occupation.

Depois de um mês em que a indústria dos videojogos nos deu Kingdom Hearts 3 – um dos jogos mais esperados da última década – fevereiro promete manter a fasquia da qualidade ao mesmo nível. Ao longo dos próximos 28 dias, poderá esperar a estreia de títulos como Far Cry: New Dawn, Ape Out e o muito aguardado Anthem.

O primeiro grande nome a chegar ao mercado vai ser Trials Rising. A proposta foi desenvolvida pela Ubisoft e baseia-se nos desafios de perícia de motocross que fizeram escola nos sites de minijogos de outros tempos. Depois disso, a 15 de fevereiro, estreia Crackdown 3, um jogo de ação e aventura, exclusivo Microsoft, cuja data de lançamento inicial estava marcada para 2016. Os sucessivos adiamentos aumentaram as expectativas do público e o jogo deverá reunir as atenções dos jogadores de Xbox One e PC.

Apesar de recheado de jogos que se antevêem de qualidade, Anthem é a jóia da coroa de fevereiro. O jogo, desenvolvido pela BioWare e publicado pela Electronic Arts, é um RPG que vai colocar os utilizadores num mundo aberto repleto de tecnologia futurista, mas dominado por biomas selvagens. Nesta aventura, os jogadores têm de vestir a pele de um grupo de “soldados”, que cruza este planeta ficcional com o objetivo de impedir que outras ameaças perturbem a ordem natural das coisas.

Para conhecer 10 dos jogos mais promissores que vamos poder jogar em fevereiro, consulte a galeria abaixo.

Facebook quer fundir mensagens de WhatsApp, Instagram e Messenger

Facebook quer fundir mensagens de WhatsApp, Instagram e Messenger

O plano dos responsáveis do Facebook é criar um protocolo único que permita trocar mensagens entre contas das diferentes empresas detidas por Zuckerberg. Para todos os efeitos, Facebook, Instagram e WhatsApp devem permanecer independentes, mas em 2020 já deve ser possível enviar mensagens através destes serviços usando uma única plataforma.

O objetivo desta equipa é implementar uma solução que corre em segundo plano, com encriptação end-to-end e que permita a troca de mensagens, por exemplo, do WhatsApp para o Messenger, a partir de uma só plataforma, noticia o New York Times.

Esta é uma estratégia já vista anteriormente: na sequência de fusões e compras, torna-se difícil manter diferentes bases de código. Para este caso em concreto, juntar um perfil relativamente anónimo de WhatsApp com um perfil quase inteiramente público do Facebook ou do Instagram pode trazer algumas dúvidas aos utilizadores.

Uma resposta do Facebook explica que «queremos construir as melhores experiências de mensagem que conseguirmos: e as pessoas querem enviar mensagens de forma rápida, simples, precisa e privada. Estamos a trabalhar para tirar o máximo partido dos nossos produtos de messaging».