0
  Login
Gamescom 2019 começa hoje com conferências e muitos jogos

Gamescom 2019 começa hoje com conferências e muitos jogos

Durante os próximos dias a cidade de Colônia, na Alemanha, será palco de uma das maiores feiras de videojogos do mundo.

A Gamescom 2019 arranca oficialmente na terça-feira, dia 20 de agosto e prolonga-se até sábado, dia 24, mas hoje vão decorrer algumas conferências interessantes que servem como aperitivo para aquilo que os jornalistas e visitantes vão encontrar em Colónia, na Alemanha.

A primeira a dizer “hallo” será a Microsoft, que tem planeada uma Inside Xbox ao vivo, diretamente do centro de convenções Gloria Theater em Colónia, levando na bagagem alguns dos títulos que já conhecemos e que estão a chegar ao mercado, tais como Gears 5. Segundo a Xbox, será mostrado pela primeira vez o novo modo Horde para o jogo.

Promessas ainda de mais de uma dúzia de trailers de diversas produtoras que vão estrear no evento, assim como novidades e notícias relativas a jogos como Tom Clancy’s Ghost Recon Breakpoint, Destiny 2: Shadowkeep, Wasteland 3, Empire of Sin, Greedfall, The Surge 2, Vigor, Metro Exodus, Blair Witch, Xbox Game Pass, X019, acessórios novos, e outros. Estas novidades estarão disponíveis para todos experimentarem durante esta semana.

Poderá assistir à conferência da Microsoft Inside Xbox a partir das 16:00 (hora de Lisboa) no canal da Xbox no YouTube.

Às 18:00 (hora de Lisboa) será a vez da Google apresentar novidades para o seu serviço de videojogos em streaming, o Stadia Connect. Apesar da gigante ter realizado uma conferência na E3 a revelar preços e alguns títulos, ainda existem dúvidas do tal serviço de jogos on demand, semelhante ao Netflix. É que recentemente a Google já veio acrescentar que será um serviço mais próximo de um PlayStation Plus, do que propriamente um PlayStation Now. Para ver a conferência terá de aceder ao canal do Stadia no YouTube.

O evento mais importante do dia será o Opening Night Live, que arranca às 19:00 (hora de Lisboa), e será uma conferência com Geoff Keighley a servir de anfitrião. Neste evento estão prometidos anúncios de 16 editoras de videojogos, títulos indie, trailers exclusivos e ainda convidados especiais, tais como Hideo Kojima que a poucos meses do lançamento de Death Stranding promete revelar mais um pouco sobre o mesmo. Poderá assistir à cerimónia em direto, no canal do YouTube do Video Game Awards.

Por fim, ou melhor, fora do circuito de conferências, a Nintendo vai apresentar o alinhamento de jogos indie para a Switch. Será mais uma Nintendo Direct, desta vez com o nome Indie World, que arranca às 14:00 (hora de Lisboa) e pode assistir no canal de YouTube da Nintendo Portugal.

 

Spectacles 3: conheça os novos “óculos de filmar” do Snapchat

Spectacles 3: conheça os novos “óculos de filmar” do Snapchat

A terceira geração do gadget é muito mais cara do que a anterior, mas traz um design renovado e uma segunda câmara HD que lhe derá uma nova forma de ver e criar snaps.

A Snap anunciou esta semana os novos Spectacles 3. O modelo é uma versão redesenhada do equipamento e volta a oferecer conteúdos em realidade aumentada, desta vez potenciados por uma nova câmara HD que ajuda a criar uma sensação de profundidade nas imagens captadas. Os óculos vão ser lançados em novembro, no portal spectacles.com, e terão um valor base de 380 dólares – mais de o dobro do preço com que foi lançada a edição anterior.

A Snap indica que este modelo foi desenvolvido para apelar a um grupo de consumidores mais criativo, mas o preço pode também ser justificado pelo desequilíbrio que os Spectacles 1 e 2 provocaram nas contas da empresa.

Esta terceira edição, sublinha a tecnológica, é essencial para que a empresa possa aprofundar conhecimentos na produção de conteúdos em realidade aumentada. A Snapchat criou um leque de efeitos 3D para tirar partido da nova “câmara de profundidade” do aparelho. Os efeitos serão exclusivos, mas há planos para abrir as portas às criações de outras empresas.

Mais importa dizer que os óculos vão estar disponível em “carbon” (preto) e “mineral” (uma espécie de bege dourado). A estrutura é de metal, mas leve.

Tal como as versões anteriores, os Spectacles 3 servem para fotografar e gravar vídeos diretamente da perspetiva de primeira pessoa. Os conteúdos registados são todos transferidos para o seu smartphone assim que emparelhar ambos os gadgets e podem ser partilhados em qualquer plataforma.

 

Videojogos falsos com malware? Atingiu mais de 900 mil utilizadores ao longo do útimo ano

Videojogos falsos com malware? Atingiu mais de 900 mil utilizadores ao longo do útimo ano

A investigação da Kaspersky revela que o Minecraft, GTA 5 e os Sims 4 lideram o ranking com um terço dos ataques.

À semelhança de outras formas de entretenimento digital, os videojogos estão vulneráveis a vários tipos de abusos, como violação de direitos de autor ou torrent-trackers ilegais. No entanto, agora enfrentam outro tipo de ameaça que tem vindo a crescer: o uso fraudulento da sua marca para camuflar a distribuição de malware.

De acordo com o relatório da multinacional de cibersegurança, a crescente procura por videojogos tem permitido aos hackers ganhar cada vez mais vantagem, permitindo que distribuam malware através de cópias falsas dos jogos mais populares.

Em concreto, mais de 930 mil utilizadores foram atingidos por este tipo de ataques nos últimos 12 meses, no período de junho de 2018 a junho de 2019.

Depois de analisada a lista de ataques, os investigadores concluíram que o jogo mais perigoso é o Minecraft, sendo o malware disfarçado neste jogo responsável por cerca de 30% dos ataques ocorridos, com mais de 310 mil utilizadores afetados. O GTA 5 ocupa o segundo lugar da lista, com o malware a atingir mais de 112 mil utilizadores. Já o terceiro lugar é ocupado pelo Sims 4, com quase 105 mil utilizadores atingidos.

Para além disso, os hackers também tentaram persuadir os utilizadores a descarregar ficheiros maliciosos, fazendo passar estes ficheiros por jogos que ainda não tinham saído para o mercado.

A investigação identificou versões falsas de pelo menos dez jogos em pré-lançamento, sendo que cerca de 80% das deteções estiveram concentradas nos jogos FIFA 20, Borderlands 3 e Elder Scrolls 6.

Num comunicado divulgado à comunicação social, a investigadora de segurança da Kaspersky Maria Fedorova recomenda que as pessoas se mantenham atentas a este tipo de crimes, e que “evitem plataformas digitais que não pareçam ser de confiança” e com ofertas suspeitas.

Para além disso, a especialista aconselha a instalação de um software de segurança e a realização de uma análise regular a todos os dispositivos que utilizam para jogar.

   
Moons of Madness, quando o terror chega ao Espaço profundo

Moons of Madness, quando o terror chega ao Espaço profundo

Está previsto para este ano o lançamento de Moons of Madness, um jogo da Rock Pocket Games cujo objectivo é o de levar o terror psicológico até ao Espaço profundo.

Apesar de ainda faltar algum tempo para o seu lançamento, o jogo já aparenta uma fase avançada no seu desenvolvimento.

Moons of Madness tem inicio com uma estranha mensagem proveniente de Marte que é captada por uma organização de nome Orochi. A mensagem recebida causa grande confusão entre a comunidade cientifica, em particular pela dificuldade em perceber a sua origem e o seu real significado.

A mensagem é então considerada como demasiado sensível para ser partilhada com o público e como tal é mantida em segredo dentro da organização.

No entanto, imediatamente a seguir à recepção dessa estranha mensagem a Orochi inicia (de forma secreta) a construção de Invictus, um posto avançado em pleno Planeta Vermelho para poder seguir a sua origem e determinar quem ou o quê que a enviou.

O jogador encarna Shane Newehart, um mero técnico da Invictus que, como tal, não está a par de nada do que se passa, nem da própria mensagem. No momento em que o jogo começa, a função de Shane é apenas a de manter as luzes ligadas para permitir a aterragem de uma nave de transporte de nome Cyrano que traz uma nova equipa para a Invictus.

Algo vai corre muito mal e Shane terá de descobrir rapidamente uma forma de sobreviver e escapar ao Planeta Vermelho.

Recentemente foi revelado um trailer com mais de 12 minutos que mostra um pouco mais da jogabilidade de Moons of Madness:

Moons of Madness combina mecânicas de exploração de um planeta desconhecido (Marte) com o terror psicológico de H.P. Lovecraft. É como se tratasse de um “Lovecraft no Espaço”.

Pelo que tem sido dado a conhecer, o jogo apresentará um ambiente pesado que o jogador terá de explorar maioritariamente sozinho. Serão mais as dúvidas que as certezas e aos poucos, e com uns sustos pelo caminho, a história vai-se desvendando.

Alucinações, visões… a linha que separa o real do imaginário será muito ténue em Moons of Madness enquanto o jogador explora o Planeta Vermelho e as instalações abandonadas.

Moons of Madness será lançado para Playstation 4, Xbox One e PC por alturas do Halloween… mesmo a calhar, hein?

   

Jogos como Minecraft podem estimular a criatividade

Jogos como Minecraft podem estimular a criatividade

Jogos eletrônicos com grande liberdade de criação podem aumentar a criatividade sob certas condições, de acordo com uma nova pesquisa da Universidade Estadual de Iowa, nos Estados Unidos. O estudo experimental analisou os efeitos de Minecraft nos participantes, e os pesquisadores perceberam um aumento da criatividade nesses jogadores.

Como comparação, outros dois grupos foram colocados para jogar títulos de corrida e para assistir a programas de televisão. Em ambos os casos, os jogadores de Minecraft se saíram melhor nos testes realizados após as atividades. Para o professor de psicologia da instituição, Douglas A. Gentile, o formato do game pode ser um diferencial. “Não é só que o Minecraft pode ajudar a induzir a criatividade. Parece haver algo sobre a escolha de fazer isso que também importa”, afirmou.

Jogatina livre é mais criativa

No decorrer dos testes, houve uma orientação para que parte dos jogadores de Minecraft buscasse ser mais criativa durante a atividade. O resultado com esse grupo foi inferior ao dos que puderam jogar livremente, sem qualquer orientação. Jorge Blanco-Herrera, autor principal do estudo, disse que os participantes podem ter limitado suas ações enquanto jogavam, e isso pode ter influenciado negativamente os testes posteriores, como se tivessem “gastado a criatividade” em Minecraft.

Gentile, Blanco-Herrera e Jeffrey Rokkum, que também colaborou com a pesquisa, comentaram que não existe uma explicação clara sobre por que o jogo incentivou a criatividade dos participantes, mas eles acreditam que o estímulo oferecido para criar coisas seja o principal fator. Isso pode ser estendido a outros títulos que exigem níveis diferentes de criatividade, como RPGs, que motivam os participantes a criarem personagens.

 

Uma pitada de magia e muita ciência. Este é o mundo da gastronomia molecular

Uma pitada de magia e muita ciência. Este é o mundo da gastronomia molecular

Há quem diga que encontrar o ponto certo de cozedura dos alimentos ou a combinação perfeita para agraciar o palato é uma espécie de alquimia, mas a gastronomia molecular leva esta ideia a todo um novo nível de excentricidade.

À primeira vista, gastronomia e ciência têm pouco em comum, mas só para os menos atentos.

A temperatura e o tempo certos de cozedura dos alimentos, a mecânica inflexível através da qual se consegue fazer uma maionese caseira no ponto e a utilização do sumo de limão para evitar a oxidação de determinados vegetais são apenas alguns exemplos de como a culinária obedece a princípios químicos básicos, que determinam a diferença entre um bom e um excelente prato.

A gastronomia molecular vai ainda mais longe, podendo ser definida como um ramo da ciência dos alimentos que tem por objetivo analisar, do ponto de vista científico, os fenômenos que ocorrem quando se cozinha e degusta os alimentos. Não se trata, portanto, de uma moda ou uma tendência de chefs vindos de países exóticos e longínquos.

É de ciência, na verdadeira ascensão da palavra, que trata a gastronomia molecular. Não deve ser confundida com as tradicionais ciências alimentares, porque o seu objeto de estudo é mais limitado. Em causa, as preparações de pequena escala, num contexto em que a alimentação é vista como um todo: os ingredientes crus, a forma como são preparados e ainda a maneira como são degustados.

A gastronomia molecular é multidisciplinar, envolvendo não apenas a química, mas também a física, a biologia e a bioquímica. Por tratar a alimentação como um todo, tal como descrito anteriormente, a gastronomia molecular abrange também o consumidor, pelo que a fisiologia, a psicologia e a sociologia também são envolvidas neste ramo da ciência.

Esta forma global de olhar para a alimentação foi o ponto de partida para os estudos do húngaro Nicholas Kurti, professor em Oxford, e do francês Hervé This, físico-químico, que no início da década de 80 deram origem a esta ciência. Os dois cientistas testaram receitas de diversas regiões do globo e deitaram por terra alguns mitos da culinária, como a ideia de que seria necessário utilizar sal na cozedura dos legumes para que estes mantivessem a sua cor original.

Levar o método científico para a cozinha permitiu descobrir coisas fantásticas. Sabia, por exemplo, que o ponto de cozedura do ovo é atingido quando o seu interior chega aos 68 graus? E que esta temperatura é atingida ao fim de dez minutos? Ou que a diferença de um grau no ponto de cozedura do peixe (52-54 graus) é quanto basta para fique mal passado, no ponto ou demasiado passado?

Parecem preciosismos, mas é de precisão que trata a culinária.

Com a gastronomia molecular, pretende-se otimizar a qualidade dos pratos tradicionais, introduzir novas técnicas – entre muitas outras, a desidratação dos alimentos em laboratório e a cozedura a baixas temperaturas – e recorrer a ingredientes que provavelmente nunca pensou usar no jantar, como agentes gelificantes, espessantes e corantes de origem natural ou até azoto líquido.

Embora existam algumas receitas básicas e técnicas que podem ser utilizadas no dia-a-dia, a gastronomia molecular não é um tipo de culinária fácil de adotar para um uso recorrente em casa. Além da excentricidade de algumas receitas, das ferramentas necessárias e dos conhecimentos de ciência que requer, esta é uma gastronomia sofisticada e exclusiva que pode ser saboreada em restaurantes que a ela se dedicam.

Em Portugal, o Cantinho do Avillez e o restaurante LOCO são dois exemplos de locais onde se podem degustar iguarias exclusivas deste tipo de cozinha.

Métodos básicos da gastronomia molecular

Espumas

Provavelmente já viu alguns pratos de gastronomia molecular ornamentados com espuma.

É um ornamento, mas é também uma parte considerável do sabor do prato, visto que aquela espuma tem sabor e irá perceber porquê depois de saber como ela é feita.

Antes de mais, importa perceber o que é uma espuma, pergunta que parece não ter sentido por tratar-se de algo perfeitamente comum, mas que na gastronomia molecular é importante para compreender o princípio químico do que fazemos.

A espuma é, em termos simples, a substância que se forma quando aprisionamos bolhas de ar (ou outro gás) num líquido ou sólido. O método mais conhecido de criar uma espuma para os nossos pratos de cozinha molecular foi inventado pelo chef catalão Ferran Adrià e faz uso de uma garrafa do tipo sifão, normalmente utilizada para a aplicação de chantilly no prato.

É feito um sumo com os ingredientes pretendidos (frutas, legumes ou mesmo água de marisco) que, depois, é misturado com gelatina e introduzido no sifão. Uma outra técnica de fazer espuma, ainda mais fácil, consiste em misturar o tal sumo de ingredientes com lecticina de soja no liquidificador. Tão simples como isto.

Esferificação

A esferificação é um outro método muito utilizado na cozinha molecular, consistindo em aprisionar um líquido numa esfera perfeita.

A base da esferificação está no alginato, uma substância extraída de algas com propriedades gelificantes, que é utilizada na indústria alimentar para alterar a viscosidade de líquidos. É frequentemente utilizado em sorvetes e bebidas.

O alginato reage com o cálcio, resultando na película que reveste as esferas. Deste modo, para esferificar um ingrediente já liquidificado, devemos misturá-lo com alginato num recipiente e, à parte, fazer uma mistura de água com cloreto de cálcio.

Depois, goteja-se a mistura com alginato no recipiente onde está a água com o cloreto de cálcio. A reação das duas substâncias irá criar uma esfera por gota. Através deste processo é possível criar falsos caviares dos mais variados sabores, como cenoura, beterraba, pepino ou quaisquer outros ingredientes que seja possível liquidificar.

Uma outra forma de esferificar, conhecida por esferificação inversa, consiste em misturar o ingrediente liquidificado com gluconato de cálcio e lactato de cálcio e, num recipiente à parte, água com alginato. Por fim, goteja-se a primeira mistura na segunda. O método inverso tem algumas vantagens, visto que existe a adição de outros sabores no resultado final, além de ser possível esferificar líquidos com alto teor alcoólico.

Gelificantes

Os gelificantes são muito utilizados na cozinha molecular para criar alimentos “falsos”, como um esparguete de manga, por exemplo.

Alguns exemplos de gelificantes são a gelatina, o ágar e a metilcelulose. A gelatina é o de mais fácil acesso. De origem animal, obtida dos ossos dos bovinos, a gelatina é composta basicamente de colágeno, ou seja, proteína. Dissolve-se a quente e gelifica a frio.

Por outro lado, o ágar é uma substância difundida largamente na cultura oriental, sendo extraído de algas vermelhas. É um hidrato de carbono da classe dos polissacarídeos, pelo que é substancialmente diferente da gelatina, apesar de ser um gelificante. Dissolve-se a quente e gelifica à temperatura ambiente. Com o ágar é possível criar alguns caviares falsos, em que o líquido solidifica também no interior da esfera, ao contrário do que acontece no processo de esferificação.

Por fim, a metilcelulose é um derivado da celulose e hidrato de carbono da classe dos polissacarídeos, tal como o ágar. Além de alterar a viscosidade de líquidos, serve também como emulsificante, ou seja, permite misturar dois líquidos que normalmente não se misturam, como a água e o azeite, por exemplo.

Ao contrário da gelatina e do ágar, a metilcelulose dissolve- -se a frio e gelifica a quente. Pode ser utilizada, por isso, para fazer gelatinas quentes, entre outras aplicações. Com recurso a uma destas substâncias, a gelificação é uma técnica que permite testar e brincar com sabores e texturas, mas é importante referir que se perde alguma intensidade do sabor em favor da estética.

Faça você mesmo

Alterar as propriedades dos alimentos faz parte da arte da cozinha molecular, e este é um caso em que vamos transformar um sólido num líquido. Esta receita é uma criação de um dos grandes chefs de renome em gastronomia molecular, Ferran Adrià, e foi o primeiro prato com esferificação inversa a ser introduzido no restaurante elBulli, na Catalunha, em 2005.

Ingredientes
– 500 gramas de azeitona
– 0,75 g de goma xantana
– 2 g (1%) de lactato de cálcio
– 1,5 litros de água
– 7,5 g de alginato de sódio
– azeite extra virgem
– casca de limão
– raminhos de tomilho fresco
– raminhos de alecrim fresco
– alho
– pimenta do reino

Preparação

Comece por misturar o alginato de sódio na água com a ajuda de um liquidificador até que esteja completamente dissolvido. Deixe repousar no frigorífico por 24 horas, para que o ar que entrou na mistura desapareça e o alginato de sódio esteja completamente reidratado.

Remova os caroços das azeitonas e processe-os com uma varinha mágica. No final coe as azeitonas com a ajuda de um escorredor. Misture o lactato de cálcio com o sumo de azeitonas e depois adicione a goma xantana.

Deixe em repouso, para hidratar, durante um minuto. Bata a mistura com uma varinha mágica e deixe no frigorífico por 10 minutos. A mistura deverá estar densa, com a consistência de um molho grosso. Se tirar um pouco desta mistura com uma colher e voltar a colocá-la no recipente, a superfície deverá demorar um pouco a nivelar novamente.

Se a consistência não for esta, adicione mais goma xantana. As adições devem ser de 0,2 gramas de cada vez. Quando chegar ao resultado pretendido, reserve no frigorífico por 24 horas. Para aromatizar o azeite, amasse o alho e frite em apenas 20% do azeite que planeia utilizar para marinar as azeitonas. Antes do alho começar a dourar, adicione o resto do azeite e deixe aquecer. Quando estiver quente, adicione o tomilho, o alecrim e a pimenta. Guarde num recipiente fechado, num local quente e seco.

Está tudo pronto para começar a criar as esferas de azeitonas. Retire com uma colher o tamanho desejado para uma esfera da mistura de azeitonas e, cuidadosamente, deposite no banho de alginato de sódio. Não deixe uma esfera tocar noutra, caso contrário elas irão colar-se.

Deixe as esferas no banho de alginato de sódio durante dois minutos e meio e remova-as com uma escumadeira. Depois, mergulhe-as devagar em água filtrada. Por fim, retire as esferas da água e coloque-as no azeite aromatizado, sem que toquem umas nas outras. Vai ao frigorífico por 12 horas e está pronto a servir.

Sugestões de apresentação:

– Sirva as azeitonas em colheres chinesas.

– Sirva em conjunto com azeitonas normais para comparar os sabores.

Esferas de morango decoradas com pimenta

Esta é uma receita simples de esferificação, que lhe permite fazer esferas de morango que explodem na boca, divertidas e ideais para pequenos e graúdos. Nesta receita, as esferas são decoradas com pimenta moída, mas pode utilizá-las para rechear bolos ou envolvê-las em chocolate para fazer bombons, por exemplo. As possibilidades são muitas e, apesar do aspeto excêntrico, estas esferas de morango são muito simples de preparar.

Ingredientes
– 250 g de puré de morango (cerca
de 300 g de morangos)
– 10 g de açúcar
– uma pitada de sal
– 5 g de lactato de cálcio (2%)
– sumo natural de morango para armazenar as esferas, caso não as vá consumir nas próximas horas
Para a decoração
– pimenta do reino moída
Para o banho
de esferificação
– 1 litro de água destilada
– 5 g de alginato de sódio (0,5%)

Preparação

Processe os morangos num liquidificador até obter uma consistência de puré e, de seguida, coe-o num coador tão fino quanto possível. Adicione o açúcar, o sal e o lactato de cálcio. Misture bem.

Por fim, cubra com película aderente e armazene no frigorífico da noite para o dia, de forma a remover as bolhas de ar. Para fazer o banho de alginato de sódio, misture-o com água destilada, com a ajuda de um liquidificador ou varinha mágica. O alginato de sódio não se mistura facilmente com água, por isso poderá demorar um pouco mais do que está habituado na trituração de frutas, por exemplo.

No final, coe a mistura num coador, cubra com película aderente e armazene no frigorífico da noite para o dia, de forma a remover as bolhas de ar. Depois de passado o tempo necessário, pode fazer a esferificação. Para tal vai precisar do recipiente com o puré de morango com lactato de cálcio, da mistura de água com alginato de sódio, uma colher para fazer esferas grandes e um terceiro recipiente com água filtrada, que será utilizado para lavar as esferas, removendo o excesso de alginato de sódio.

Tire uma colherada de puré de morango e limpe a parte de baixo da colher com um guardanapo. Despeje cuidadosamente o puré na solução de água com alginato de sódio. Mexa levemente o banho de alginato de sódio sem tocar nas esferas. Não deve deixá-las tocar no fundo do recipiente, caso contrário irão ficar achatadas. Também não as deve deixar flutuar, ou a parte de cima não irá gelificar e a membrana não será completamente criada.

Outro cuidado que deve ter é não deixar duas esferas tocarem uma na outra, ou irão colar. Faça uma de cada vez até se habituar ao processo. Aguarde por cerca de dois minutos. Quanto mais tempo esperar, mais grossa será a membrana que envolve o líquido da esfera.

Para uma melhor experiência, o ideal é que a membrana fique o mais fina possível, mas suficientemente robusta para suportar o conteúdo da esfera. Cuidadosamente, remova a esfera do banho de alginato de sódio com uma escumadeira e mergulhe-a na água filtrada para remover o alginato.

Se não for consumir as esferas em pouco tempo, deverá conservá-las. No entanto, se as conservar a seco, a membrana irá romper-se. Deve, por isso, conservar as esferas num líquido do mesmo sabor, neste caso, em sumo de morango.

Sugestões de apresentação

– Coloque as esferas em colheres de sobremesa e posicione-as no prato.

– Decore com pimenta do reino.

   

Rabisque a personagem, participe numa aventura épica

Rabisque a personagem, participe numa aventura épica

Draw a Stickman é uma experiência divertida e interativa com ações desenhadas pelos utilizadores.

O website Draw a Stickman dá destaque aos dotes artísticos dos utilizadores, incentivando a desenhar a sua própria personagem. Poderá empenhar-se e reproduzir um boneco com detalhe, se tiver aptidão para tal, mas se não tiver, como indica o nome do projeto, faça um rabisco com uma bola a fazer de cabeça e riscos para os braços e pernas. O que conta mesmo é a aventura.

Depois de apresentar a personagem, o desenrolar da história dá-se com diversas ações, em que as interações continuam a ser suportadas pelos desenhos dos utilizadores, seja a rabiscar uma arma, um balde ou escada para escapar aos perigos.

Esta experiência interativa, que pode experimentar em duas aventuras distintas, servem para promover o videojogo com o mesmo nome, disponível nas consolas e smartphones. Pode visitar o Draw a Stickman neste endereço, de preferência acompanhado pelos mais novos, para testemunharem como os seus rabiscos podem ganhar vida nos videojogos…

   

Nokia tem um novo smartphone Android One “inteligente” por 99 euros

Nokia tem um novo smartphone Android One “inteligente” por 99 euros

A HMD Global apresentou o Nokia 2.2 para a família Android One com um preço mais acessível.

A HMD Global revelou na sua conta do Twitter um novo modelo de entrada de smartphones, o Nokia 2.2. O dispositivo chega à Europa por 99 euros, mas promete algumas funcionalidades disponíveis na gama superior, como por exemplo a inteligência artificial, com direito a botão dedicado para o Google Assistant.

A empresa refere que este modelo vem com o Android Pie instalado, mas está preparado para correr a próxima versão do sistema operativo, o Android Q. Além disso, o smartphone entra para a família Android One, o que significa que a empresa garante atualizações de segurança para os próximos dois anos.

O Nokia 2.2 tem um processador quad-core A22 da MediaTek e oferece um ecrã de 5.71 polegadas, com um notch em forma de gota de água. Está equipado com tecnologia de reconhecimento facial para desbloquear o dispositivo, acesso ao Google Lens e câmara fotográfica suportada por inteligência artificial, prometendo capturar imagens em locais menos iluminados.

   

PS Plus: a Sony vai subir os preços na Europa e no Brasil

PS Plus: a Sony vai subir os preços na Europa e no Brasil

A Sony Interactive Entertainment prepara-se para aumentar o preço da subscrição do seu serviço de jogos, o PS Plus. Com efeito, o novo plano de preços entra em vigor no dia 1 de agosto, tanto na Europa, bem como no Brasil. O caso foi avançado pela publicação pushsquare, entretanto, confirmado pela Sony.

De acordo com alguns jogadores, a Sony está a notificar os mesmos por email, suprimindo as dúvidas.

Partido dos atuais planos do serviço de subscrição para acesso aos jogos, temos as seguintes opções: pagamento mensal de 7,99 €, pagamento trimestral de 24,99 € e, por fim, o pagamento anual de 59,99 €. No entanto, a partir do próximo dia 1 de agosto teremos alterações na Europa, Brasil e Japão.

O serviço PS Plus vai ficar mais caro na Europa e no Brasil

Sendo estas as regiões que mais diretamente nos interessam, há várias especificidades a ter em conta. Já de acordo com a IGN, a subscrição mensal do PS Plus ficará mais cara, mas será a única afetada. Com efeito, esta modalidade passará de 7,99 € para 8,99 €. Contudo, o plano trimestral e anual não terão qualquer mudança.

Em síntese, a partir do dia 1 de agosto pagará 8,99 € pelo acesso mensal, 24,99 € pelo acesso trimestral e, por último, 59,99 € pelo acesso anual. O mesmo cenário encontra aplicação em França e na Alemanha, bem como no Japão e na Suécia com alterações apenas no plano mensal.

Relativamente à Suíça temos um aumento em todos os três planos. O mensal passa de 7,70 CHF para 9,90 CHF, o trimestral passa de 24,90 CHF para 27,90 CHF e, por fim, o anual passa de 59,90 CHF para 69,90 CHF.  É, portanto, o país do velho continente em que a escalada de preços será mais acentuada.

No Brasil também temos aumentos neste serviço da Sony para acesso aos jogos mediante uma subscrição. Aí passarão a ser cobrados 25,90 reais pela assinatura mensal. Já a assinatura trimestral custará 64,90 reais e, por fim, a assinatura anual custará 149,90 reais.

Da Europa ao Brasil, o aumento nos preços do serviço de jogos da Sony

A Sony justifica este aumento de preços com base nas condições de mercado. Assim, não temos mais detalhes ou justificações para esta medida transversal aos principais mercados mundiais. Em boa verdade, temos apenas uma adenda da tecnológica japonesa.

Esta mudança vai nos permitir continuar a fornecer um serviço de excelência a um preço atraente. Os subscritores vão poder continuar a desfrutar de todas as vantagens e funcionalidades do PS Plus, tal como o multijogador online, jogos mensais, 100 GB de espaço de armazenamento na nuvem e descontos exclusivos na PlayStation Store.

Por fim, a Sony dá ainda a saber que, mesmo cancelando a renovação automática do serviço, a sua subscrição será válida até ao final do período contratado. Portanto, já pagou, por exemplo, pelo acesso ao serviço durante um ano e tiver cancelado a renovação, continuará a ter todos os benefícios até ao fim desse ano.

A região norte-americana é a única isenta. A todas as demais será aplicado o novo plano de preços a 1 de agosto de 2019.

   

Intel revela processadores de décima geração com foco no gaming em ultraportáteis

Intel revela processadores de décima geração com foco no gaming em ultraportáteis

São os chips “Ice Lake” de 10 nm que têm uma gráfica integrada capaz de correr videojogos a 1080p.

A Intel lançou recentemente a nona geração dos seus processadores, mas não perdeu tempo a revelar os seus próximos chips durante o Computex, desta vez com especial realce na otimização de computadores ultraportáteis. Trata-se dos CPU anteriormente conhecidos como “Ice Lake” de 10 nanômetros, numa aposta da Intel em portáteis suportados pelos processadores da série U.

A décima geração de processadores Intel estará disponível nas famílias Core i3, i5 e i7, destacando-se por terem gráfica integrada baseada na 11ª geração do Iris Plus, que segundo o Engadget, consegue correr jogos a “uma velocidade decente a 1080p”. É explicado que a próxima geração do CPU se baseia na arquitetura Sunny Cove, com quad-core e um design de oito thread, capaz de alcançar velocidades de 4.1 GHz.

Já a nova gráfica integrada terá uma performance de um teraflop, com 64 unidades de execução e uma velocidade de relógio de 1.1 GHz. Comparativamente ao anterior GPU integrado, o UHD 620, este tinha apenas 24 unidades de execução. Na prática, será possível jogar CS: GO a 70 FPS numa resolução de 1080p e 60 FPS no Rocket League, enquanto Fortnite consegue obter 30 FPS na mesma definição.