0
  Login
Sentient: Militares americanos construíram secretamente um “cérebro artificial”

Sentient: Militares americanos construíram secretamente um “cérebro artificial”

Segundo informações agora reveladas, os militares dos Estados Unidos criaram secretamente um “cérebro artificial”. Ou seja, desde 2010 que as agências de inteligência norte-americanas têm vindo a desenvolver um sistema secreto de inteligência artificial ao qual deram o nome de “Sentient“.

Os novos documentos confidenciais e classificados divulgados descrevem o que é o Sentient Program do National Reconnaissance Office (NRO).

Sentient Program ao serviço dos militares dos EUA

Sentient é um sistema de inteligência totalmente integrado que pode coordenar as posições dos satélites. Além disso, este cérebro tem também a possibilidade de gerir operações no campo de batalha. Contudo, estas são apenas pistas que levarão a outros cenários mais abrangentes ainda por descobrir. Atualmente os detalhes sobre o Programa Senciente ainda são poucos e ambíguos.

Após alguns indícios passarem para o domínio público, funcionários do governo foram questionados sobre o programa. Apesar da curiosidade, o resultado traduziu-se em respostas  mínimas e sem pormenor.

A prática padrão da NRO e da Comunidade de Inteligência é NÃO divulgar fontes e métodos sensíveis, já que tal divulgação introduz alto risco de que nações adversárias os combatam. Tal perda prejudica a nossa nação e os seus aliados; diminui a vantagem da informação dos EUA e a segurança nacional. Por estas razões, os detalhes sobre o Sentient permanecem confidenciais e o que podemos dizer sobre ele é limitado.

Explicou Karen Furgerson, diretora adjunta de assuntos públicos da NRO, num e-mail ao The Verge.

Será só para sentir?

A palavra Sentient, traduzida no português senciente ou sensível, significa aquele que sente, que tem sensações ou impressões. No entanto, na base do que os Estados Unidos podem estar a preparar, este projeto para um cérebro de inteligência artificial pode ser mais do que sentir.

O Sentient cataloga padrões normais, deteta anomalias e ajuda a prever e modelar os potenciais cursos de ação dos adversários. Estamos perante uma máquina de guerra pensante e autónoma?

Pese o facto do NRO não ter fornecido exemplos de padrões ou anomalias, pode-se imaginar que coisas como “não disparar um míssil” versus “disparar um míssil” estarão na lista. Com estas previsões em mãos, o Sentient poderia virar os sensores dos satélites para o lugar certo, no momento certo. Assim, pelas palavras, parcas, agora lidas das entidades, o “Sentient é um sistema de pensamento”.

   

curtir:
Queda de sonda israelita “contaminou” a Lua com seres vivos microscópicos

Queda de sonda israelita “contaminou” a Lua com seres vivos microscópicos

Chamam-se tardígrados e são seres microscópicos conhecidos por aguentarem condições extremas. Embora em estado de dormência, ficaram espalhados no solo lunar quando a sonda que os continha se despenhou

A sonda israelita Beresheet, que esteve perto de tornar-se na primeira missão lunar privada bem sucedida, carregava em si um arquivo com 30 milhões de páginas de informação sobre o planeta Terra e a espécie humana, incluindo amostras de ADN humano. A bordo seguiam também milhares de tardígrados desidratados, uma espécie animal microscópica capaz de sobreviver a condições extremas, inclusive no Espaço.

Assim que tomaram conhecimento do despenho da sonda israelita, Nova Spivack, criador da Arch Mission Foundation, a iniciativa responsável pela criação dos arquivos humanos a bordo da Beresheet, e alguns dos colaboradores da organização procuraram determinar se a informação no arquivo tinha resistido à queda na Lua.

«Nas primeiras 24 horas ficamos em choque», contou Nova Spivack à Wired, sublinhando que a equipa «estava ciente dos riscos, embora pensassem que não seriam significativos.» A equipa estima que, apesar do impacto, o arquivo esteja intacto ou em pedaços que permitem recuperar a informação.

Nova Spivack explicou também que um cenário em que os tardígrados colonizem a Lua é altamente improvável, pois neste momento os animais encontram-se numa espécie de dormência biológica. Só no caso de serem trazidos de volta para a Terra, serem reidratadas ou estarem num local com atmosfera é que podem “voltar à vida”. A Wired indica que alguns cientistas já conseguiram reanimar alguns exemplares desta espécie e que estavam em estado de dormência há cerca de dez anos.

Além dos tardígrados, o arquivo lunar que a Beresheet levava continha 25 camada de níquel com apenas alguns micrómetros de espessura (um micrómetro é o equivalente a um milionésimo de metro). As primeiras quatro camadas continham cerca de 30 mil imagens de alta definição com páginas de livros sobre introdução a algumas línguas faladas na Terra, manuais e chaves para descodificar as restante 21 camadas, que continham a esmagadora maioria das páginas de Wikipedia em língua inglesa e milhares de obras de literatura clássica.

Foi utilizado um sistema de armazenamento analógico, mas para comprimir a informação a organização recorreu a um especialista que utilizou uma técnica de gravação nanométrica de imagens de alta resolução em níquel. Foi usada uma tecnologia laser de alta precisão que gravou as imagens “átomo a átomo”, em partículas de vidro, que depois receberam um revestimento de níquel. O resultado são imagens holográficas que podem ser vistas utilizando um microscópio capaz de ampliar imagens mil vezes.

À Wired, Spivack contou que deseja incluir um maior número de amostras de ADN nos próximos arquivos lançados para o Espaço, inclusive amostras de espécies em vias de extinção. A partir do próximo outono a Arch Mission Foundation vai dar início a uma recolha de novas amostras.

   

curtir: