0
  Login
Facebook começa a pagar aos utilizadores para monitorizar utilização do telefone

Facebook começa a pagar aos utilizadores para monitorizar utilização do telefone

A app Study é a nova proposta do Facebook para passar a pagar compensações para os utilizadores que concordem em ver a sua utilização do telefone monitorizada.

O Facebook pretende passar a pagar um montante não especificado aos utilizadores da Índia e dos EUA que sejam convidados a instalar a app Study e tenham o seu histórico de utilização escrutinado pela empresa. A Study é uma aplicação que monitoriza quais as aplicações que estão instaladas no telefone, em que país está a ser usada e que consegue detetar outras funcionalidades específicas que estejam a ser usadas. O Facebook informa que não vai monitorizar conteúdos específicos, como mensagens, sites visitados ou passwords dos utilizadores, noticia o The Verge.

A Study mostra que o Facebook está interessado nos comportamentos dos utilizadores e que, para escapar à controvérsia, está disposto a pagar por essa informação. A aplicação é a sucessora da Facebook Research, app dirigida mais a um público juvenil e que assentava num certificado especial que contornava as proteções da App Store e obtinha um nível de acesso mais aprofundado aos iPhone, em violação das normas da marca de Cupertino.

Os participantes interessados na Study têm de ter mais de 18 anos, residir nos EUA ou na Índia e ter uma conta de PayPal para poderem receber a compensação financeira. O programa desta vez só vai estar disponível para utilizadores Android e vai requerer um nível de acesso avançado.

O montante a pagar e os moldes pelos quais são regulados os pagamentos ainda não foram especificados, nem se conhecem os critérios para envio dos convites para a Study, mas o Facebook garante que «todos serão compensados».

   

curtir:
Tesla começa a fabricar telhas de energia solar

Tesla começa a fabricar telhas de energia solar

De acordo com uma publicação da Reuters, a Tesla finalmente começou a produzir de telhas de energia solar em sua fábrica de Buffalo, em Nova York. O projeto, anunciado em 2016, era para ter sido iniciado em meados de 2017, conforme divulgado pela própria Tesla. Quando a empresa foi questionada sobre o atraso da fabricação das telhas solares, o fundador Elon Musk disse que o produto precisava de um tempo maior de testes para funcionar adequadamente e que isso levaria meses.

Parece que tudo correu muito bem com os testes, e o Solar Roof vai começar a ser instalado nos próximos meses. Quando a pré-venda começou, em maio do ano passado, os clientes dos EUA desembolsaram cerca de US$ 1 mil para receber as telhas solares da Tesla em suas casas.

Telha solar da Tesla vai custar menos que um telhado tradicional

Segundo a empresa, o Solar Roof vai custar US$ 21,85 por metro quadrado, ou seja, US$ 2,65 a menos do que a mesma metragem de uma telha comum nos EUA. O projeto da Tesla inclui a intercalação de telhas comuns e solares, já que não é necessário que todas as peças sejam capazes de produzir energia. A quantidade de telhas solares vai depender da capacidade de energia que a residência precisa produzir. O projeto é customizável, e o consumidor pode incluir, no máximo, 70% de telhas solares. As peças solares e não solares são muito parecidas e não dá para perceber a diferença entre elas depois de instaladas e vistas da rua.

As telhas solares são feitas com vidro temperado e, de acordo com a Tesla, três vezes mais resistentes do que as telhas comuns. Por confiar nessa afirmação, a empresa oferece garantia vitalícia do Solar Roof ou pelo mesmo tempo da vida útil da casa em que o telhado solar for instalado. Para a potência e a proteção contra intempéries, a garantia é de 30 anos.

O Solar Roof é integrado com a bateria doméstica da Tesla, o Powerall. Além de ser uma alternativa à geração de eletricidade comum, funciona como um gerador de emergência quando há queda de energia elétrica regular na residência. O catálogo do Solar Roof inclui os modelos Texturizado e Suave e tem mais dois a serem lançados em breve, o Tuscan e o Xisto.

   

curtir: