0
  Login
NASA e Autodesk usam Inteligência Artificial para criar as sondas do futuro

NASA e Autodesk usam Inteligência Artificial para criar as sondas do futuro

Os engenheiros da NASA e da Autodesk conseguiram construir um novo conceito de sondas que podem ajudar a explorar luas distantes, recorrendo a soluções de Inteligência Artificial.

A revelação foi feita pela Autodesk com a apresentação de um modelo que parece uma aranha. A empresa explica que criou uma equipa com o JPL da NASA, onde cada uma das organizações colocou cinco engenheiros a trabalhar juntos. A equipa propõe a construção de sondas com formas de inseto que possam explorar a superfície de luas distantes como Enceladus ou Europa. Um design semelhante ao corpo de uma aranha permite uma melhor aproximação, aterragem e exploração, acreditam estes investigadores.

A parceria, segundo o The Verge, surgiu com um objetivo claro de criar sondas para exploração espacial que pesassem menos. A redução do peso ajuda a reduzir custos e a complexidade da missão, tornando ainda possível a integração de novos sensores capazes de recolher mais dados.

Os engenheiros da Autodesk usaram Inteligência Artificial para produzir centenas de desenhos e propostas em pouco tempo. A equipa usou uma técnica conhecida por design generativo, onde foi integrando as suas sugestões e parâmetros de cada vez que um desenho era apresentado pela máquina. Entre as variáveis, os investigadores exploraram a possibilidade de se usar diferentes materiais como alumínio e titânio ou diferentes métodos de produção, como a impressão 3D.

Em um mês e meio, a equipa surgiu com um conceito semelhante a uma aranha, composto de três secções principais. As entranhas são feitas de alumínio em impressão 3D e contêm os instrumentos necessários para estudar mundos distantes, o chassis é o que suporta toda a estrutura e as “patas” são feitas em impressoras 3D, também em alumínio. O modelo mede cerca de dois metros de altura e pesa menos 35% do que aparelhos semelhantes.

ecocarwashing

Seja Um Revendedor Ecocarwashing

   

curtir:
Google quer reestruturar os seus projetos de saúde e vai criar uma assistente virtual para médicos e enfermeiros

Google quer reestruturar os seus projetos de saúde e vai criar uma assistente virtual para médicos e enfermeiros

A empresa vai aproveitar os avanços feitos pela DeepMind Health para criar uma nova app para profissionais da saúde.

A Google anunciou que vai absorver o departamento de Health do laboratório de inteligência artificial DeepMind que mantém em Londres. Esta é uma consequência da reestruturação que está em curso na empresa e que deverá terminar com a reorganização das iniciativas que a empresa desenvolveu na área da medicina.

Num post publicado esta semana, os fundadores da DeepMind explicaram que isto vai permitir transformar uma das aplicações desenvolvidas pela empresa numa assistente virtual com IA para enfermeiras e médicos. O sistema, adianta, vai combinar “os melhores algoritmos com um design intuitivo”. A app que vai servir de base a este programa foi criada para auxiliar os profissionais do serviço nacional de saúde britânico (NHS) a gerirem os seus pacientes.

Recorde-se que a DeepMind esteve envolvida num debate controverso acerca da privacidade dos dados dos pacientes britânicos, uma vez que os seus registos estavam a ser partilhados com a empresa de forma não consentida. Em 2017, a parceria entre  o NHS e o laboratório foi declarada ilegal, mas ambas as partes continuam a trabalhar em conjunto.

Para a Google, esta decisão significa que a empresa quer assumir as suas iniciativas médicas de forma mais séria. A DeepMind Health tem produzido trabalho com aplicações práticas visíveis e a gigante de Mountain View vê nestas soluções uma fonte de receita potencial. Note que a empresa tem mantido uma relação tensa com o laboratório inglês, que adquiriu em 2014, uma vez que este tem oferecido resistência à forma como a Google planeia explorar os seus produtos.

 

curtir: