0
  Login
Anatel bloqueará 1 milhão de celulares por mês; saiba se o está na lista

Anatel bloqueará 1 milhão de celulares por mês; saiba se o está na lista

Recentemente, a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) divulgou que celulares piratas serão bloqueados a partir do ano que vem. A medida tem o objetivo de impedir o funcionamento de um milhão de aparelhos irregulares que entram nas redes das prestadoras todos os meses.

Se você ainda está confuso sobre como será ação e que tipos de aparelhos serão afetados, o 33Giga explica em tópicos como funcionará a medida da Anatel. Confira!

O que pode ser considerado um celular pirata?
São aqueles aparelhos não certificados pela Anatel ou que possuem o IMEI (International Mobile Equipment Indentity), sequência de números que funciona como uma espécie de impressão digital dos celulares, adulterado, clonado ou outras formas de fraude.

Como faço para descobrir se meu celular não é falsificado?
Para descobrir se o celular tem IMEI e é regular, basta discar *#06#. Se nenhum número aparecer na tela ou se a sequência for diferente da que aparece na caixa do aparelho, é muito provável que o smartphone seja falsificado. Também dá para consultar a situação do seu dispositivo diretamente no site da Anatel.

Se eu tiver um celular sem o selo da Anatel, mas com o IMEI correto, ele seguirá funcionando?
Sim. Se o equipamento não tiver o selo da Anatel mas tiver sido certificado em outro país, o aparelho não será afetado pela ação. Vale lembrar que a certificação deve ser aceita pela própria Anatel.

E quais são as certificações e os países aprovados pela Anatel?
Procurada pelo 33Giga, a Anatel não informou quais são as certificações e os países aprovados.

Quando a medida começará a ser aplicada?
Primeiramente, a medida afetará apenas smartphones em operação no Distrito Federal e em Goiás. A partir de 22 de fevereiro de 2018, serão enviadas mensagens aos usuários de aparelhos irregulares destes estados. O bloqueio começará a ser realizado de fato em 9 de maio de 2018.

E nos outros estados brasileiros?
Acre, Rondônia, São Paulo, Tocantins, Região Sul e demais estados da Região Centro-Oeste receberão as mensagens sobre os aparelhos irregulares a partir de 23 de setembro de 2018. O bloqueio ocorrerá a partir de 8 de dezembro de 2018.

Região Nordeste e demais estados da Região Norte e Sudeste terão as mensagens encaminhadas a partir de 7 de janeiro de 2019. O impedimento do uso dos aparelhos irregulares será a partir de 24 de março de 2019.

Comprei um celular pirata antes da medida da Anatel ser anunciada. Ele será afetado?
Não. A medida só será aplicada a aparelhos irregulares que entrarem nas redes das prestadoras a partir do disparo das mensagens por parte da Anatel. Os clientes que adquiriram celulares piratas anteriormente não terão os dispositivos bloqueados.

curtir:
Desafios para garantir a acessibilidade é tema de seminário em Canoas

Desafios para garantir a acessibilidade é tema de seminário em Canoas

A prefeitura, através da diretoria da Pessoa com Deficiência, realizou, na última terça-feira, dia 5, o III Seminário de Inclusão e Acessibilidade. O evento, que celebrou o Dia Internacional da Pessoa com Deficiência e o Dia da Acessibilidade, reuniu, além de pessoas com deficiência, estudantes, pesquisadores, professores e equipes técnicas que trabalham com acessibilidade e inclusão. A pauta do encontro foram os desafios da acessibilidade universal, com palestras que abordaram o tema desde o conceito até sua aplicação. A data também foi marcada pelo lançamento da Cartilha Municipal dos Direitos e Serviços às Pessoas com Deficiência.

Além das palestras, o público conferiu ao longo do dia painéis, oficinas, exposição de materiais e apresentações artísticas com a temática pautada pela acessibilidade e os direitos das pessoas com deficiência. Tendo como base a Lei Brasileira de Inclusão, o Estatuto da Pessoa com Deficiência e demais dispositivos legais, o seminário buscou colaborar com a efetivação de políticas públicas que promovam uma sociedade mais inclusiva.

O secretário de Relações Institucionais de Canoas, Airton Souza, destacou, no ato de abertura do encontro, a preocupação que a administração municipal tem quando o assunto é acessibilidade. “Esse é um tema muito importante para nós. Temos trabalhado para universalizar e garantir o acesso de ir e vir das pessoas com deficiência em Canoas. Além disso, estamos atuando no reforço à conscientização dos cidadãos para que percebam a necessidade de rampas e calçadas adaptadas”, afirmou.

O coordenador de Políticas para Pessoas com Deficiência do Rio Grande do Sul, Adilson Luis Pimentel Corlassoli, levou boas notícias ao público presente. Ele contou que, nos próximos anos, o estado terá a própria legislação para garantir o direito de ir e vir de pessoas com deficiência. Segundo Corlassoli, a Lei Gaúcha de Acessibilidade já está sendo formulada e discutida pelo Legislativo e pelo Executivo estadual. O coordenador ainda lembrou que, atualmente, “vive-se um novo paradigma na sociedade que respeita o espaço das pessoas com deficiência e garante seu acesso”.

O Brasil já possui uma legislação nos mesmos moldes desta que vem sendo formulada pelo governo gaúcho, porém, na visão do diretor da Pessoa com Deficiência de Canoas, Jair Silveira, o grande desafio é cumpri-la. “Precisamos batalhar pela implementação prática das políticas públicas de acesso universal. Ainda temos muito o que percorrer para sensibilizar as pessoas para garantir não só rampas de acesso ou calçadas sinalizadas, mas também em aparelhos tecnológicos”, defendeu. O diretor ainda lembrou um mito social que renega as capacidades da pessoa com deficiência e, por consequência, acaba os excluindo. “Uma vez, perguntaram como fica a vida de uma pessoa cadeirante. A vida não fica, a vida continua. Nós temos que mostrar a nossa capacidade e fazer valer nosso reconhecimento”, concluiu. O evento ainda contou com a participação do vereador Cezar Mossini, que representou o Legislativo municipal; do secretário especial de Integração Institucional de Canoas, Ivo Lech; e da presidente do Conselho Municipal dos Direitos das Pessoas com Deficiência (Comdip), Kelly Oliveira.

curtir:
Aplicativo facilita aprendizado de estudantes de Fisioterapia em Lajeado

Aplicativo facilita aprendizado de estudantes de Fisioterapia em Lajeado

A anatomia, como ciência básica, é uma das primeiras disciplinas cursadas por estudantes da área da saúde. O estudo dos ossos marca o contato inicial do acadêmico com essa nova área da ciência, e, por isso, é comum que apresentem dificuldades na aprendizagem. Pensando nisso, o estudante do curso de Engenharia da Computação da Universidade do Vale do Taquari (Univates) Cassiano Weissheimer desenvolveu um aplicativo com o objetivo de mudar essa realidade. Em seu Trabalho de Conclusão de Curso (TCC), ele fez uso da realidade virtual para representar a estrutura óssea do corpo humano de uma forma diferente.

Com o uso do app e de um óculos de realidade virtual, é possível visualizar três estruturas ósseas: o crânio, a caixa torácica e o braço. Guiado por um cursor central no cenário, o programa garante ao usuário a identificação do nome de cada osso, rotacionando os elementos livremente. “Para desenvolver algo voltado à estrutura óssea, tive que buscar livros sobre o assunto e encontrar objetos 3D em formato compatível com o projeto, integrando os conhecimentos de informática a uma área que até então pouco conhecia”, explica o acadêmico.

A ideia de trabalhar com a relação entre o homem e a máquina veio do orientador Fabrício Pretto. Recentemente, o acadêmico realizou o processo de validação do aplicativo com 20 estudantes do curso de Fisioterapia da universidade e obteve resultados positivos. “Existem lacunas dentro dessa área que podem ser preenchidas por soluções tecnológicas, como a realidade virtual e aumentada. Esses alunos já passaram pela aprendizagem desses elementos, então têm condições de dizer se o app está condizente com a literatura para posteriormente ser utilizado como auxílio nos processos de ensino”, conta Pretto.

Para o professor do curso de Fisioterapia da Univates Eduardo Sehnem, o estudo da anatomia pela realidade virtual pode contribuir para a aprendizagem de várias formas. Segundo ele, a imersão do estudante em um ambiente simulado contribui diretamente para que este foque o objeto de estudo. “Nossos estudantes são diferentes daqueles de uma década atrás. Estimulá-los pelas novas tecnologias em ambiente de aula contribui para a formação de um vínculo mais forte com suas realidades, dando significado à aprendizagem. No caso dos ossos, a possibilidade de rotacionar o objeto permite que o estudante visualize a estrutura em vários planos”, afirma Sehnem.

O estudo durou cerca de um ano e meio. Segundo Weissheimer, a ideia é que agora o aplicativo seja disponibilizado ao estudantes. “Achei muito legal e interessante ver o app que eu desenvolvi auxiliar outras pessoas, fiquei muito feliz com isso. Nem tudo que imaginei no começo do projeto consegui implementar na prática, mas fiquei satisfeito com o resultado final”, garante.

Conforme explica Sehnem, atualmente avanços significativos na ciência ocorrem somente mediante a integração entre diferentes áreas. Para ele, a área da saúde como um todo depende muito das áreas tecnológicas para progredir em alguns campos. “É fundamental a iniciativa da comunidade acadêmica na busca da aproximação. É uma grande satisfação toda vez que podemos ver nossos estudantes tornando isso uma realidade. Todos são beneficiados com a aproximação interdisciplinar: a comunidade acadêmica em um primeiro momento, e posteriormente a sociedade como um todo”, conclui.

curtir: